Apontado como ‘chefe regional’ do PCC é preso em Parauapebas

Adriano Moraes dos Santos, tido como “chefe regional” da organização criminosa Primeiro Comando da Capital (PCC), foi preso na noite de terça-feira (21), acusado de ter mandado matar um pedreiro, vizinho do irmão dele, Aderlan Moraes dos Santos, preso em flagrante na última segunda-feira (20), vendendo maconha, crack e cocaína a um grupo de dependentes químicos, na frente da casa em que morava na área de invasão do bairro Ipiranga II, na cidade de Parauapebas, no sudeste do Pará.

Segundo informações preliminares, Adriano Santos também é conhecido como “Perna”, e queria saber quem denunciou Aderlan à polícia. Ele teria ouvido do próprio irmão que o denunciante era um pedreiro que mora numa casa em frente ao barraco em que Aderlan foi preso. Adriano recebeu então a missão de matar o trabalhador, cujo nome não foi divulgado pela polícia por questões de segurança, já que a investida contra o pedreiro não teve êxito e ele segue vivo.

Na noite da última terça-feira, dois homens dispararam contra o pedreiro próximo à casa dele mas a arma não disparou e os bandidos fugiram. Na manhã da última quarta-feira (22), o trabalhador procurou a 20ª Seccional Urbana de Polícia Civil, em Parauapebas, para denunciar a tentativa de homicídio contra ele.

As polícias civil e militar em diligências descobriram que o mandante da execução foi Adriano, por ordem de Aderlan, de dentro da cadeia. Informados de que o suspeito havia sofrido acidente de moto e fraturado uma perna, os agentes da lei se dirigiram ao hospital público, onde deram voz de prisão a Adriano, após este ter sido atendido. Ele terá de passar por cirurgia e ficará internado por mais alguns dias, mas agora está algemado ao leito e com dois policiais de vigília

Artigos relacionados

DEIXAR UM COMENTÁRIO

Política de moderação de comentários: A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro ou o jornalista responsável por blogs e/ou sites e portais de notícias, inclusive quanto a comentários. Portanto, o jornalista responsável por este Portal de Notícias reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal e/ou familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.

Adblock Detectado

Considere nos apoiar desabilitando o bloqueador de anúncios