Assassino diz que tinha caso com padre e que o matou após briga

Cristian deu depoimento e fora liberado, uma vez que não existe flagrante contra ele

O jovem Cristian Roberto da Silva, de 19 anos, confessou ter matado o padre José Ronaldo Gomes de Brito, 37, na noite de Réveillon. Cristian depôs na tarde da última segunda-feira (4) após se apresentar, junto como advogado, à 16ª Seccional Urbana de Polícia Civil, em Santarém, oeste paraense.

Uma fonte da Polícia Civil disse à reportagem que Cristian afirmou em depoimento que tinha um relacionamento amoroso com o sacerdote da Igreja Católica há vários meses e que a morte teria acontecido após um desentendimento entre os dois e um amigo que estava presente na festa de confraternização na casa do padre, localizada na rua Monte Sião com a rua das Flores, na invasão do Juá.

Segundo a fonte, Cristian disse que matou José Ronaldo com uma facada no pescoço após o desentendimento, causado por ciúmes. O assassino disse que fugiu no veículo oficial da arquidiocese, mas acabou batendo no muro de uma casa.

Após o acidente Cristian chegou a ir para delegacia, no entanto, os agentes desconheciam que ele cometera um assassinato e o liberaram. Ao se apresentar na tarde de hoje, Cristian deu seu depoimento e fora liberado, uma vez que, como já se passaram 48 horas, não existe flagrante contra ele.

Ele responderá o processo em liberdade.

Em nota, a Polícia Civil confirmou que o suspeito de matar o padre se apresentou na Delegacia de Homicídios, prestou depoimento e foi liberado.

“Equipes da delegacia local realizam diligências para elucidar o caso e, inicialmente, não dará detalhes sobre a apuração para não prejudicar o processo de investigação”, completou.

Artigos relacionados

DEIXAR UM COMENTÁRIO

Política de moderação de comentários: A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro ou o jornalista responsável por blogs e/ou sites e portais de notícias, inclusive quanto a comentários. Portanto, o jornalista responsável por este Portal de Notícias reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal e/ou familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.

Adblock Detectado

Considere nos apoiar desabilitando o bloqueador de anúncios