Bolsonaro recebe Major Curió, que comandou repressão à Guerrilha do Araguaia durante a ditadura

Coronel da reserva do Exército foi recebido no Palácio do Planalto. Ministério Público diz que Sebastião Curió praticou homicídios na ditadura e ocultou cadáveres.

O presidente Jair Bolsonaro recebeu na última segunda-feira (4) no Palácio do Planalto Sebastião Curió, o Major Curió, 81 anos, oficial do Exército que comandou a repressão à Guerrilha do Araguaia (PA).

O encontro aconteceu às 10h20 e não constava da agenda oficial do presidente, divulgada pela Secretaria de Comunicação Social. Por volta de 21h20, a assessoria de Bolsonaro atualizou a agenda e incluiu o encontro.

Major Curió, que passou para a reserva como coronel, foi denunciado pelo Ministério Público Federal por homicídio e ocultação de cadáveres durante o combate à guerrilha. Em 2009, ao jornal “O Estado de S. Paulo”, Curió afirmou que o Exército executou 41 pessoas no Araguaia.

Em uma rede social, o senador Chico Rodrigues (DEM-RR) postou a foto do encontro, chamado por ele de “histórico”. O parlamentar também escreveu que Major Curió é um “homem de honra” e “defensor dos garimpeiros” – ele foi intervertor, designado pelo regime militar, no garimpo de Serra Pelada, no Pará.

À TV Globo, Chico Rodrigues disse que não participou do encontro, que a foto foi feita por um funcionário dele e que não sabia das denúncias do MPF contra Curió.

Guerrilha do Araguaia

A Guerrilha do Araguaia foi um movimento contrário à ditadura militar, que atuou entre as décadas de 1960 e 1970.

O combate entre guerrilheiros e militares ocorreu no na divisa dos estados de Goiás, Pará e Maranhão, deixando mortos 67 opositores à ditadura.

Segundo o Ministério Público, Curió e os militares subordinados a ele chegaram a matar pessoas mesmo estando rendidas e sem apresentar resistência a eles.

“[Os crimes] foram comprovadamente cometidos no contexto de um ataque sistemático e generalizado contra a população civil brasileira, promovido com o objetivo de assegurar a manutenção do poder usurpado em 1964, por meio da violência”, afirma o MPF.

Serra Pelada

Em maio de 1980, Major Curió foi designado pelo regime militar interventor em Serra Pelada (PA). Na ocasião, ele se tornou a única autoridade civil e militar da região.

Curió proibiu a entrada de mulheres, cachaça e armas na zona de trabalho. O revólver dele, como costumava dizer, era o que “cantava mais alto”. Em 1982, Curió foi eleito deputado federal pelo Pará.

Em 2000, Major Curió foi eleito prefeito de Curionópolis (PA), assumindo o mandato em 2001.

Com informações do G1

Artigos relacionados

DEIXAR UM COMENTÁRIO

Política de moderação de comentários: A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro ou o jornalista responsável por blogs e/ou sites e portais de notícias, inclusive quanto a comentários. Portanto, o jornalista responsável por este Portal de Notícias reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal e/ou familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.

Adblock Detectado

Considere nos apoiar desabilitando o bloqueador de anúncios