Caso Mariana Bazza: acusado de estupro e assassinato pega 40 anos de prisão

Rodrigo Pereira Alves estava preso havia 11 meses, desde que o corpo da universitária foi encontrado em um canavial

Rodrigo Pereira Alves, de 37 anos, foi condenado pela Justiça a mais de 40 anos de prisão por estupro e latrocínio da universitária Mariana Bazza, em Bariri (SP). O crime aconteceu em setembro de 2019, quando a jovem tinha 19 anos.

Rodrigo Pereira Alves, de 37 anos, foi condenado pela Justiça a mais de 40 anos de prisão por estupro e latrocínio da universitária Mariana Bazza, em Bariri (SP). O crime aconteceu em setembro de 2019, quando a jovem tinha 19 anos.

Mariana aceitou ajuda de Rodrigo para trocar um pneu do carro, mas acabou atraída para a morte covarde e brutal. O réu foi condenado a 40 anos, 10 meses e 18 dias de prisão por latrocínio, estupro e ocultação de cadáver nesta terça-feira (25), exatos 11 meses após o corpo da jovem ter sido encontrado em um canavial, no dia 25 de setembro de 2019.

A condenação em primeira instância foi confirmada pelo advogado de defesa do réu, Evandro Demétrio, que informou que cabe recurso, que será impetrado logo que a sentença seja publicada pelo Tribunal de Justiça.

Rodrigo Pereira Alves, de 37 anos, foi condenado pela Justiça a mais de 40 anos de prisão por estupro e latrocínio da universitária Mariana Bazza, em Bariri (SP). O crime aconteceu em setembro de 2019, quando a jovem tinha 19 anos.

Mariana aceitou ajuda de Rodrigo para trocar um pneu do carro, mas acabou atraída para a morte covarde e brutal. O réu foi condenado a 40 anos, 10 meses e 18 dias de prisão por latrocínio, estupro e ocultação de cadáver nesta terça-feira (25), exatos 11 meses após o corpo da jovem ter sido encontrado em um canavial, no dia 25 de setembro de 2019.

A condenação em primeira instância foi confirmada pelo advogado de defesa do réu, Evandro Demétrio, que informou que cabe recurso, que será impetrado logo que a sentença seja publicada pelo Tribunal de Justiça.

Entenda o caso

Vídeos divulgados de câmeras de segurança mostram que Rodrigo Pereira Alves insistiu em ajudar a universitária Mariana Forti Bazza, de 19 anos, para trocar o pneu do carro, em Bariri (SP), depois que ela saiu da academia.

Ele a convenceu a entrar com o carro na chácara em que ele fazia bico como pintor. Depois as câmeras mostram o carro saindo da chácara, mas era Rodrigo quem dirigia. O corpo da jovem foi encontrado por volta do meio-dia da quarta-feira 25 de setembro, em uma cova rasa. O vídeo mostra uma amiga de Mariana, Heloísa, que também havia saído da academia e estava de moto, acompanhando o início da abordagem do suspeito. A vítima cogitava voltar para casa com o pneu meio vazio, mas suspeito a convenceu do contrário.

“Eu falei ‘vai embora. Dá tempo de você chegar em casa’. E ele (Rodrigo) pega e fala assim ‘não vai dar tempo. Se for embora com o pneu desse jeito, vai estragar o pneu’. Falei então que eu ia embora porque senão eu ia me atrasar. Nisso ele já tinha atravessado a avenida, falado que se precisasse era só chamar. E eu fui embora’, relata.

Estudante de direito, Heloísa não imaginava que aquele homem supostamente prestativo tinha uma extensa ficha criminal.

Em 2001, Rodrigo Alves teve a primeira condenação por crime sexual, passando 13 anos na cadeia. Ele atacou e estuprou uma estudante de 18 anos em São Paulo. Voltou às ruas e voltou a roubar e a estuprar.

Durante roubos, em 2015, ele obrigou uma das vítimas a ficar nua e, segundo a mulher, ele ficava encostando-se a ela. Nesse caso, Rodrigo foi absolvido por falta de provas.

Novamente teve uma acusação parecida, agora em 2015, uma acusação parecida, desta vez na cidade de Bariri. E outras de roupo de abuso se acumularam. Teve a prisão decretada, ficou foragido te ser preso em 2016. Mas teve aprovada a liberdade condicional e conseguiu o bico de pintor na chácara, em frente à academia da vítima.

Artigos relacionados

DEIXAR UM COMENTÁRIO

Política de moderação de comentários: A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro ou o jornalista responsável por blogs e/ou sites e portais de notícias, inclusive quanto a comentários. Portanto, o jornalista responsável por este Portal de Notícias reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal e/ou familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.

Adblock Detectado

Considere nos apoiar desabilitando o bloqueador de anúncios