Crise no Chile pode mudar local da final da Libertadores

A crise pela qual passa o Chile nos últimos dias pode afetar a primeira decisão em esquema de final única da história da Copa Libertadores.

Marcada para o próximo dia 23 de novembro na capital chilena, Santiago, a final, que necessariamente será entre um clube brasileiro (Flamengo ou Grêmio) e o River Plate pode até ser alterada para outra cidade sul-americana.

No último domingo (20), a Confederação Sul-Americana de Futebol (Conmebol) emitiu uma nota e afirmou que, a princípio, a ideia é manter a partida para o Estádio Nacional: “A Conmebol reafirma seu compromisso de disputar a final única da Libertadores 2019 em data, local e hora estipulados inicialmente. A Conmebol se encontra em permanente contato com as autoridades e demais envolvidos na realização da final única em Santiago do Chile”, afirmou o comunicado.

Na mesma nota, no entanto, há menção à segurança: “Continuaremos analisando o caso e levaremos em conta a segurança dos clubes, jogadores, torcedores e meios de comunicação envolvidos, para que o único protagonista seja o futebol sul-americano, em encontro que deve coroar o novo campeão continental”.

Nos bastidores, a entidade analisa seriamente a possibilidade de mudar a cidade que receberá a final, caso as coisas permaneçam como estão em solo chileno.

CRISE

O Chile se encontra no momento em estado de emergência. O aumento no preço das passagens de metrô em Santiago foi o estopim para uma série de protestos, vários deles violentos, na própria capital e também em várias partes do país. O presidente Sebastian Piñera é o principal alvo da revolta.

No último domingo (20), o Exército chileno foi às ruas. Historicamente, é a primeira vez que isso acontece desde o fim da ditadura de Augusto Pinochet em 1990. A violência pelas ruas já causou sérios danos em diversos locais, inclusive turísticos, além de vários saques e também pelo menos 11 mortos e quase 1.500 detidos.

Artigos relacionados

DEIXAR UM COMENTÁRIO

Política de moderação de comentários: A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro ou o jornalista responsável por blogs e/ou sites e portais de notícias, inclusive quanto a comentários. Portanto, o jornalista responsável por este Portal de Notícias reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal e/ou familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.

Adblock Detectado

Considere nos apoiar desabilitando o bloqueador de anúncios