Em 45 dias, mais de 15 mil recorrem ao seguro-desemprego no Pará

O número se refere ao mês de março e à primeira quinzena de abril. Ministério da Economia estima que mais quatro mil desempregados do Estado estão na fila pelo benefício

O Pará já possui 15.496 pessoas que já perderam o trabalho e precisaram recorrer ao seguro-desemprego durante a pandemia do novo coronavírus (Covid-19). O número se refere ao mês de março e à primeira quinzena de abril, de acordo com o balanço divulgado na última semana pelo Ministério da Economia. Em todo o País, já são 804.538 requerimentos neste período e conforme avaliação da área econômica do governo federal esse número ainda deve ser maior, já que muitos desempregados ainda não pediram o seguro-desemprego por conta das medidas de isolamento social. A fila de espera pode chegar a  200 mil, sendo quatro mil deles apenas no Estado do Pará.

No ranking nacional, o Pará é o 12º em número absoluto de demitidos durante a crise do Covid-19. No topo, estão os Estados mais populosos do País, como São Paulo (242.753 demissões), Minas Gerais (96.318) e Rio de Janeiro (62.389). Considerando, apenas, o total da região Norte, as demissões paraenses respondem por 40% dos 38.729 pedidos de seguro-desemprego durante a pandemia. Na sequência aparecem o Amazonas (8.976), Rondônia (6.112), Tocantins (3.893), Acre (1.641), Amapá (1.326) e Roraima (1.285). Ainda segundo o balanço, a maior parte dos que pediram o seguro-desemprego nas últimas semanas é do sexo masculino (59,45%), tem entre 30 e 39 anos (33,95%), tem ensino médio completo (58,65%) e trabalha no setor de serviços (39%) ou comércio (29%).

Pelos dados do Ministério da Economia, o governo recebeu 10.864 mil pedidos do seguro-desemprego do Pará em março deste ano e mais 4.632 na primeira quinzena de abril. O total chega, então, a cerca de 15,5 mil nesse período de pandemia. Apesar da crise excepcional, o montante ainda é 20% inferior ao total anotado nos mesmos 45 dias do ano passado: 19.525 requerimentos. Essa diferença é que leva o governo estimar que mais quatro mil trabalhadores paraenses também perderam o emprego e ainda não solicitaram o seguro-desemprego já que as agências de trabalho de todo o país estão fechadas por conta do risco de contágio de Covid-19.

Se confirmada, essa defasagem pode levar para mais de vinte mil pessoas o total de novos desempregados no Estado registrados durante a pandemia do novo coronavírus. Em todo o Brasil, a diferença chega a 200 mil pessoas, o que leva a estimar que um mês e meio de pandemia colocou mais de um milhão de trabalhadores na rua. O secretário de Trabalho da Secretaria Especial de Previdência e Trabalho, Bruno Dalcolmo explica que essas estimativas também são feitas com base nos números históricos do benefício.

É que 65% dos que perdem o emprego costumam solicitar o auxílio depois que o governo é informado do desligamento. Hoje, porém, esse número está menor em aproximadamente 20%. Além disso, o governo percebeu que os pedidos presenciais de seguro-desemprego corresponderam a apenas 13,2% dos pedidos registrados no Pará em abril. Em março, quando as agências ainda estavam abertas, contudo, essa participação foi de 64,3%. Ainda para efeito de comparação, na primeira quinzena de abril do ano passado, 92% dos requerimentos de seguro-desemprego no Pará foram presenciais. Em todo o País, os pedidos nas agências caíram de 59,6% em março último para 8,7% neste mês de abril.

O governo garante, por sua vez, que está trabalhando para atender esses brasileiros que também podem receber o seguro-desemprego. Para isso, a Secretaria de Trabalho está em conversas com as agências de trabalho estaduais e municipais para viabilizar a retomada gradual do atendimento presencial do seguro-desemprego, mas também está aprimorando e divulgando as formas virtuais de solicitação do benefício. Conforme a pasta, é possível pedir o seguro-desemprego de casa através do aplicativo da Carteira Digital de Trabalho e por meio da central telefônica 158, que, por sinal, vai ter sua equipe dobrada a partir de maio.

Comparação

Apesar desses números, o governo acredita que, mesmo se o número de pedidos de seguro-desemprego chegar a 20 mil no Pará e 1 milhão em todo o território nacional em março e abril, o aumento do desemprego não será tão explosivo quanto se imaginava no início da pandemia do novo coronavírus. Os técnicos do Ministério da Economia alegam que o total de pedidos registrados em março e abril deste ano ainda é menor que o número de pedidos recebidos no mesmo período do ano passado.

No entanto, quando analisados os resultados regionais anteriores e durante a crise pandêmica já se observa um aumento expressivo nos pedidos de seguro-desemprego. Fevereiro, por exemplo, fechou com 10.377 requerimentos no Pará, quantidade 5% inferior ao de março. Na segunda quinzena de março, foram anotados 4.419 pedidos no Estado, e, nos quinze dias posteriores, mais 4.632. O relatório traz mais dados nacionais que mostram essa evolução de forma ainda mais intensa. Em janeiro, foram 528.425 pedidos e, em fevereiro, caiu para 444.358. Entre fevereiro e março, portanto, houve uma alta de 11% no total de trabalhadores que pediram o seguro-desemprego.

Ainda assim, o governo calcula que, mesmo depois de concluída essa “fila de espera” de cerca de 200 mil trabalhadores, o aumento do desemprego não será tão grande. A estimativa é de que essa fila seja zerada nos próximos dias. E que, por isso, o total de seguros-desempregos solicitados entre março e abril supere em “apenas” 150 mil o total de pedidos recebidos no mesmo período do ano passado. “Havia uma preocupação com a explosão do seguro-desemprego, mas não verificamos isso. Verificamos que o número de pedidos ainda é razoavelmente estável. Há um ligeiro aumento, mas não é nenhuma explosão”, afirmou o secretário-executivo do Ministério da Economia, Marcelo Guaranys, que classificou esse balanço, portanto, como uma “notícia boa”, que mostra que as políticas desenhadas pelo governo durante a pandemia do novo coronavírus estão surtindo efeito.

Com informações O Liberal

Artigos relacionados

DEIXAR UM COMENTÁRIO

Política de moderação de comentários: A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro ou o jornalista responsável por blogs e/ou sites e portais de notícias, inclusive quanto a comentários. Portanto, o jornalista responsável por este Portal de Notícias reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal e/ou familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.

Adblock Detectado

Considere nos apoiar desabilitando o bloqueador de anúncios