Facebook, Google e Twitter detonam Bolsonaro após MP

As três plataformas divulgaram nota sobre o texto que altera o Marco Civil da Internet no Brasil e que deve facilitar fake news

Horas após o presidente Jair Bolsonaro assinar uma Medida Provisório que restringe as empresas responsáveis pelas redes sociais de excluírem publicações consideradas falsas ou contendo discursos de ódio, o Facebook, o Google e Twitter se pronunciaram publicamente contra a medida.

O texto estabelece regras para uso e moderação de redes sociais, destacadamente, limitando a remoção de conteúdo, o que geralmente acontece quando é detectada alguma publicação contendo fake news ou discursos extremistas. As três plataformas divulgaram nota sobre o texto que altera o Marco Civil da Internet.

As empresas acreditam que a regulamentação do Estado sobre suas atividades de controle de conteúdo limitem a segurança das informações publicadas. Veja o que disseram:

Facebook

 “Essa medida provisória limita de forma significativa a capacidade de conter abusos nas nossas plataformas, algo fundamental para oferecer às pessoas um espaço seguro de expressão e conexão online. O Facebook concorda com a manifestação de diversos especialistas e juristas, que afirmam que a proposta viola direitos e garantias constitucionais”.

Google

“Destacamos que nossas políticas de comunidade são resultado de um processo colaborativo com especialistas técnicos, sociedade civil e academia. Essas diretrizes existem para que possamos garantir uma boa experiência de uso e preservar a diversidade de vozes e ideias características da plataforma. Acreditamos que a liberdade para aplicar e atualizar regras é essencial para que o YouTube possa colaborar com a construção da internet livre e aberta que transforma a vida de milhões de brasileiros todos os dias. Continuaremos trabalhando para demonstrar a transparência e a importância das nossas diretrizes, e os riscos que as pessoas correm quando não podemos aplicá-las”.

Twitter

“O Marco Civil da Internet foi fruto de um amplo e democrático processo de discussão com a sociedade civil, do qual as empresas, a academia, os usuários e os órgão públicos puderam participar. Isso permitiu a elaboração de uma lei considerada de vanguarda na proteção dos direitos dos usuários, preservando a inovação e a livre concorrência. A proposição desta Medida Provisória que traz alterações ao Marco Civil contraria tudo o que esse processo foi e o que com ele foi construído”.

Segundo a MP é necessário haver uma “justa causa” e “motivação” nos casos de “cancelamento ou suspensão de funcionalidades de contas ou perfis mantidos pelos usuários de redes sociais”. A legislação por pode ser confirmada ou derrubada no Congresso Nacional e começa a tramitar na Câmara dos Deputados e, depois, é encaminhada para avaliação Senado Federal. Caso não seja votada em até 120 dias, 60 prorrogáveis por mais 60, perde a validade.

Artigos relacionados

DEIXAR UM COMENTÁRIO

Política de moderação de comentários: A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro ou o jornalista responsável por blogs e/ou sites e portais de notícias, inclusive quanto a comentários. Portanto, o jornalista responsável por este Portal de Notícias reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal e/ou familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.

Adblock Detectado

Considere nos apoiar desabilitando o bloqueador de anúncios