Fazendeiro é condenado a pagar R$ 3 milhões por desmatar área de floresta no Pará

Localizada em São Félix do Xingu, a área é de preservação permanente e de reserva legal, de acordo com a Advocacia-Geral da União (AGU).

Um fazendeiro foi condenado pela Justiça do Pará a pagar R$ 3 milhões pelo desmatamento de cerca de 694 hectares de floresta no estado, área de preservação permanente e de reserva legal, de acordo com a Advocacia-Geral da União (AGU).

Segundo a AGU, a degradação ocorreu na fazenda “Nega Madalena”, localizada no interior da Gleba Carapanã, no município de São Félix do Xingu, sudeste do Pará.

O fazendeiro foi alvo de uma ação civil pública, pela qual a AGU pediu, além da indenização, o cancelamento do registro imobiliário e a reintegração definitiva da posse do imóvel ao Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra).

A AGU informou que a suposta aquisição da propriedade ocorreu de forma clandestina, fraudulenta e com uso de matrícula falsa. “Isso foi descoberto após a propriedade ser alvo de apreensão pela Justiça por ser utilizada para tráfico de drogas”, afirmou o órgão.

A ação foi acolhida pela 1ª Vara Federal de Redenção, que julgou procedente os pedidos. A decisão, segundo a AGU, reconhecer que a fazenda é bem da União e que não foi demonstrado ser do fazendeiro a “legítima do bem, dada a falsidade do registro”.

A procuradora federal Patrícia da Cruz Sales disse que, além da indenização ser usada para a recuperação da área, a decisão beneficia “a parcela da população que aguarda a reforma agrária e que passa a ter essa área livre para destinação e o poder público que tem segurança jurídica para executar as políticas públicas de reforma agrária”, concluiu.

Fonte: G1 Pará

Artigos relacionados

DEIXAR UM COMENTÁRIO

Política de moderação de comentários: A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro ou o jornalista responsável por blogs e/ou sites e portais de notícias, inclusive quanto a comentários. Portanto, o jornalista responsável por este Portal de Notícias reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal e/ou familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.

Adblock Detectado

Considere nos apoiar desabilitando o bloqueador de anúncios