DestaquePolícia

Goiana investigada por estelionato em Brumadinho é presa ao pedir mais indenização à Vale

A mulher, que já havia recebido R$ 65 mil, alegou que o filho sofreu uma lesão grave ao fugir da lama. A mineradora liberou o dinheiro para a cirurgia, mas ela foi presa antes de pegar o benefício.

A goiana Ana Maria Vieira Santiago, de 57 anos, investigada por estelionato, ao se passar por vítima da tragédia de Brumadinho, foi presa em flagrante enquanto entregava documentos falsos para requerer mais dinheiro de indenização à mineradora Vale. Desde o rompimento da barragem, Ana Maria já havia recebido R$ 65 mil de indenização, sendo R$ 15 mil por ter perdido os supostos animais da fazenda que alegou ter e R$ 50 mil pela perda da suposta casa onde disse que morava.

De acordo com as investigações, dias após a tragédia, de acordo com a apuração, ela foi para Belo Horizonte, em Minas Gerais, para arquitetar o plano. A mulher, que já foi candidata a deputada distrital no Distrito Federal, declarou que a atividade agropecuária desenvolvida na propriedade era sua única fonte de renda. A suspeita de estelionato conseguiu documentação falsa para entrar com pedido de indenização e coagiu moradores da região a confirmarem que ela residia no local.

Goiana já recebeu R$ 65 mil da Vale

Com as falsas declarações, Ana Maria recebeu R$ 15 mil pela perda dos supostos animais da fazenda e R$ 50 mil de indenização pela perda da casa que ela alegou ter na região do Parque da Cachoeira, local atingido pelo rompimento da barragem. Os supostos vizinhos da ex-candidata devem responder por falsidade ideológica.

No dia em que foi presa, ela portava documentos falsos que usou para requerer mais dinheiro de indenização à Vale, afirmando que o filho sofreu uma lesão grave no ombro enquanto fugia da lama. O dinheiro para cirurgia do jovem chegou a ser liberado pela mineradora, mas ela foi presa antes de pegar o benefício. O filho dela também é investigado.

Ex-candidata deve devolver valor de indenização

Ana Maria está presa desde o dia 19 de março no Presídio Feminino José Abranches Gonçalves, em Ribeirão das Neves, Região Metropolitana de Belo Horizonte. Para sair da prisão provisoriamente, ela deve devolver, por meio de depósito, os R$ 65 mil já recebidos devido à tragédia, segundo despacho do juiz Rodrigo Heleno Chaves, da comarca de Brumadinho.

Nascida em Anápolis, Região Metropolitana de Goiânia, Ana Maria Vieira Santiago se candidatou a deputada distrital em 2014 pelo MDB, mas não foi eleita por falta de votos suficientes. A mulher não tem mais ligação com o partido.

A mulher é investigada por outros golpes do DF, entre os anos de 2005 e 2019, de acordo com a Polícia Civil local. O Portal tenta contato com a defesa de Ana Maria.

Goiana investigada por estelionato em Brumadindo é presa ao pedir mais indenização à Vale
Foto: Reprodução/Eleições 2014

Tragédia em Brumadinho

A barragem de rejeitos da Mina do Córrego do Feijão se rompeu por volta das 12h do dia 25 de janeiro. A lama destruiu o refeitório e o prédio da mineradora, além de pousadas, casas e vegetação. Até o momento, segundo dados da Defesa Civil de Minas Gerais, são 224 mortos identificados e 69 pessoas continuam desaparecidas.

Uma equipe do Corpo de Bombeiros de Goiás retornou a Brumadinho, em Minas Gerais, no último dia 30, para auxiliar nas buscas por vítimas. Atualmente, de acordo com informações da corporação, o trabalho de busca dos corpos das vítimas conta com 145 bombeiros que trabalham em 23 frentes, com 83 máquinas pesadas, seis cães e um drone. A solicitação foi feita pelo governo mineiro.

Artigos relacionados

DEIXAR UM COMENTÁRIO

Política de moderação de comentários: A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro ou o jornalista responsável por blogs e/ou sites e portais de notícias, inclusive quanto a comentários. Portanto, o jornalista responsável por este Portal de Notícias reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal e/ou familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.

Adblock Detectado

Considere nos apoiar desabilitando o bloqueador de anúncios