Grupo de Haddad atribui a Gleisi estratégia jurídica de tentar adiar troca na chapa e quer decisão nesta segunda

Aliados do candidato a vice-presidente na chapa do PT, Fernando Haddad, atribuem ao grupo da presidente do partido, Gleisi Hoffmann, a estratégia jurídica da legenda de pedir mais tempo ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE) para trocar a cabeça de chapa à Presidência da República, atualmente ocupada pelo ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

Na noite deste domingo (9), a presidente do TSE, ministra Rosa Weber, negou pedido dos advogados do ex-presidente para prorrogar o prazo para o PT substituir o candidato à Presidência da República.

Para o grupo de Haddad, Gleisi queria arrastar a decisão com a expectativa de que o ex-presidente pudesse trocar o nome de Haddad pelo seu ou, até, pelo de Jaques Wagner, que foi a primeira opção de Lula, mas rejeitou o convite.

Diante da disputa interna no PT, Haddad quer sair nesta segunda-feira (10) de Curitiba, após visitar Lula na prisão, com uma carta do ex-presidente o indicando como o candidato oficial e Manuela D’ Ávila, a vice.

Uma das principais alas do PT rejeita Haddad por compará-lo com a ex-presidente Dilma Rousseff, considerada uma escolha errada de Lula para candidatura à Presidência.

Estrategistas do ex-prefeito de São Paulo admitem, reservadamente a aliados, que um dos principais problemas da campanha Haddad será defender a gestão Dilma e que, quando assumir a cabeça de chapa, terá de fazer críticas mais contundentes à ex-presidente se quiser convencer o mercado de que o PT não irá adotar a mesma política econômica da ex-presidente.

Mas o discurso é só para caso de Haddad virar a cabeça de chapa do PT à Presidência, o que ele espera que ocorrerá nesta segunda com aval de Lula e, na terça-feira (11), com um ato de campanha.

Artigos relacionados

DEIXAR UM COMENTÁRIO

Política de moderação de comentários: A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro ou o jornalista responsável por blogs e/ou sites e portais de notícias, inclusive quanto a comentários. Portanto, o jornalista responsável por este Portal de Notícias reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal e/ou familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.

Adblock Detectado

Considere nos apoiar desabilitando o bloqueador de anúncios