Homem decepa as mãos e a orelha de ex-companheira no Pará

Mais um crime contra mulheres assombrou a sociedade paraense. Um homem inconformado com o final do relacionamento decepou as mãos e uma orelha da ex-companheira na última sexta-feira (10), em Vila do Beja, na cidade de Abaetetuba, nordeste paraense. O caso é mais um crime contra mulheres e configura-se como tentativa de feminicídio.

Segundo os detalhes do Boletim de Ocorrência na Polícia Civil, Fábio Junior Ferreira Teles, conhecido na cidade pelo vulgo “esquerda”, não aceitou o fim do relacionamento com Ana Cristina Ferreira Cardoso e passou a persegui-la em busca de uma reconciliação. Após perceber que a vítima estava decidida pelo término, Fábio decidiu ir até a casa da vítima no início da madrugada.

Armado com um terçado, o criminoso arrombou a porta e rendeu a vítima, desferindo vários golpes logo em seguida. No momento do crime, a mãe de Ana estava na residência e pediu ajuda a um primo da vítima, que acionou os policiais. Fábio Junior fugiu em direção a uma região de mata logo em seguida e permanece foragido.

A vítima foi socorrida logo após a chegada dos agentes e encaminhada para a Unidade de Pronto Atendimento (UPA) de Barcarena, sendo transferida logo em seguida para o Hospital Metropolitano de Urgência e Emergência, em Ananindeua.

Aumento dos crimes contra mulheres

O feminicídio é um crime de ódio tipificado no Código Penal, que se caracteriza pelo fato da motivação da morte estar relacionada ao fato de a vítima ser do sexo feminino.

O Brasil ocupa o 5º lugar no ranking mundial de Feminicídio, segundo o Alto Comissariado das Nações Unidas pra os Direitos Humanos (ACNUDH). O país só perde para El Salvador, Colômbia, Guatemala e Rússia em número de casos de assassinato de mulheres. Em comparação com países desenvolvidos, aqui se mata 48 vezes mais mulheres que o Reino Unido, 24 vezes mais que a Dinamarca e 16 vezes mais que o Japão ou Escócia.

O Mapa da Violência do Conselho Nacional de Justiça (CNJ) mostra que o número de mulheres assassinadas aumentou no Brasil. Entre 2003 e 2013, passou de 3.937 casos para 4.762 mortes. Em 2016, uma mulher foi assassinada a cada duas horas no país.

Artigos relacionados

DEIXAR UM COMENTÁRIO

Política de moderação de comentários: A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro ou o jornalista responsável por blogs e/ou sites e portais de notícias, inclusive quanto a comentários. Portanto, o jornalista responsável por este Portal de Notícias reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal e/ou familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.

Adblock Detectado

Considere nos apoiar desabilitando o bloqueador de anúncios