Invasores são intimados pela PF a sair de Terra Indígena no Pará

Ação teve apoio da Força Nacional, do Exército Brasileiro, da FUNAI e do MPF, para o cumprimento da reintegração de posse da terra do povo Xikrin, que fica entre Altamira e São Felix do Xingu, no sudoeste estado

A Polícia Federal cumpriu na última segunda-feira (30) a primeira parte da decisão judicial que determinou a reintegração de posse da Terra Indígena Trincheira Bacajá, do povo indígena Xikrin, entre Altamira e São Félix do Xingu, sudoeste do Pará. Os agentes intimaram os invasores para que deixem a área ocupada no prazo de sete dias sob pena de multa diária de mil reais e retirada forçada.

O líder do movimento que ocupou ilegalmente a terra indígena Xikrin, e presidente da Associação Terra Prometida, foi identificado e auxiliou nas negociações com os demais invasores para que fosse realizada a reintegração de posse. Participaram da reunião quase uma centena de pessoas que ao final sinalizaram pelo cumprimento da decisão judicial.

A ação contou com o apoio da Força Nacional, Exército, e membros do Ministério Público Federal (MPF) e da Fundação Nacional do Índio (Funai), que deram suporte ao Oficial de Justiça.

Lideranças Xikrin denunciaram ameaças de morte e queimadas dentro da Terra Indígena. Autoridades sobrevoaram a região e encontraram áreas desmatadas, invasões e garimpos ilegais.

Segundo a PF, os invasores foram alertados que após o prazo de sete dias, equipes da PF, Força Nacional, Exército, Funai e MPF retornariam ao local para avalizar a situação e verificar se a decisão judicial fora cumprida. Caso contrário, os manifestantes que permanecerem na Terra Indígena Trincheira Bacajá poderiam ser alvo de retirada forçada, além do pagamento de multa diária.

Artigos relacionados

DEIXAR UM COMENTÁRIO

Política de moderação de comentários: A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro ou o jornalista responsável por blogs e/ou sites e portais de notícias, inclusive quanto a comentários. Portanto, o jornalista responsável por este Portal de Notícias reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal e/ou familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.

Adblock Detectado

Considere nos apoiar desabilitando o bloqueador de anúncios