DestaqueGeralNotíciasPará

Líder sem-terra é assassinado no sul do Pará; caso tem repercussão nacional

O líder sem-terra Aluisio Sampaio foi assassinado dentro da própria casa na tarde da última quinta-feira (11) em Castelo dos Sonhos a 1.726 quilômetros de Belém. O crime foi às margens da BR-163.

De acordo com o jornal Folha do Progresso, ele foi morto com vários tiros na cabeça. Um dos assassinos teria sido preso e outro conseguido fugir.

Procuradas nesta sexta (12), a Polícia Civil e a Secretaria de Justiça do Pará afirmaram que não haviam recebido nenhuma informação sobre o caso.

Sampaio era do Sindicato de Trabalhadores e Trabalhadoras da Agricultura Familiar (Sintraff) e não tinha relação com o MST. Sua organização, formada por posseiros, mantém uma disputa há anos uma área com grileiros da região.

O sindicalista estava ameaçado de morte. Em janeiro de 2017, ele publicou um vídeo no Youtube em que acusava três pessoas de conspirarem para matá-lo.

As pessoas citadas são o ex-prefeito de Novo Progresso Neri Prazeres, o presidente Sindicato dos Produtores Rurais de Novo Progresso, Agamenon Menezes, e outro sindicalista da região, conhecido como Dico.

“Eles podem me matar a qualquer instante, mas eles vão se arrepender pro resto da vida dele porque, me matando, vêm outros”, diz o sindicalista no vídeo.

O presidenciável Jair Bolsonaro (PSL) teve ampla votação ao longo da BR-163. Durante visita de campanha ao Pará, em julho, ele elogiou os policiais condenados pela morte de 19 trabalhadores rurais sem terra, em 1996, em Eldorado do Carajás (PA), no leste do estado. Ele também tem prometido classificar o MST de organização terrorista.

Sob a condição do anonimato, um posseiro de Castelo dos Sonhos disse à reportagem que seus companheiros estão divididos na disputa presidencial.

Alguns acreditam que o PT bloqueará reivindicações para regularizar invasões na Floresta Nacional do Jamanxim. Outros temem que uma vitória do Bolsonaro gere uma onda de violência contra posseiros e sem-terra.

A BR-163 foi aberta durante a ditadura militar, que promoveu grandes projetos na Amazônia sob o lema de “integrar para não integrar”. Atualmente, é um importante canal de escoamento da soja de Mato Grosso.

A região, no entanto, teve uma ocupação desordenada, marcada por grilagem de terras, invasão de áreas protegidas, garimpo, desmatamento e exploração de madeira ilegais.

A construção da rodovia voltou ao noticiário nesta semana após o provável ministro dos Transportes de um eventual governo Bolsonaro, o general Oswaldo Ferreira, ter elogiado a sua construção.

“Eu fui tenente feliz na vida. Quando eu construí estrada, não tinha nem Ministério Público nem o Ibama. A primeira árvore que nós derrubamos (na abertura da BR-163), eu estava ali… derrubei todas as árvores que tinha à frente, sem ninguém encher o saco. Hoje, o cara, para derrubar uma árvore, vem um punhado de gente para encher o saco”, disse ao jornal O Estado de S. Paulo.

Fonte: Folhapress

Artigos relacionados

DEIXAR UM COMENTÁRIO

Política de moderação de comentários: A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro ou o jornalista responsável por blogs e/ou sites e portais de notícias, inclusive quanto a comentários. Portanto, o jornalista responsável por este Portal de Notícias reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal e/ou familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.

Adblock Detectado

Considere nos apoiar desabilitando o bloqueador de anúncios