DestaqueNotícias

O que o paraense paga na conta de energia

Entenda como é definida a tarifa de energia e de que forma são distribuídos os valores do serviço Para saber tudo que é pago na conta de energia, é importante entender toda a sua composição e os atores envolvidos para o cálculo do valor final que chega para os clientes. A tarifa de energia é definida pela agência reguladora do setor elétrico: a Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel), que anualmente define o percentual de reajuste de cada distribuidora do País. Para isso, além da parcela da distribuidora, são levados em consideração os custos da compra de energia, transmissão e encargos setoriais.

Três dos mais expressivos itens que compõe a fatura estão relacionados a compra de energia, transmissão e encargos setoriais. Eles correspondem a 44,4% de uma conta.

Vamos entender como funciona cada um deles:

COMPRA DE ENERGIA: a Celpa e todas as concessionárias de energia elétrica do país compram energia para distribuir e não escolhem de qual fonte geradora vão adquirir essa energia. Essa compra é feita por meio de leilões, realizados pelo Governo Federal. E a energia adquirida pode ser de diversas fontes de geração como a hidráulica, eólica e a proveniente de termelétricas, que chega a custar até 10 vezes mais.

Para colocar em termos práticos o item compra de energia, vale destacar o caso da Usina de Tucuruí. Ainda que uma fatia da nossa energia seja oriunda da hidroelétrica situada no Pará, a maior parte vem de centenas de usinas (termoelétricas e hidroelétricas) localizadas nas diversas regiões do Brasil, visto que o sistema nacional é interligado. 

Dessa forma Tucuruí também abastece outros Estados. É por isso que o preço da energia do Pará pode ser afetado pelas secas que costumam ocorrer em outras regiões do país. Isso tudo faz parte do que é chamado de Sistema Interligado Nacional (SIN).

A Celpa não determina como funciona o modelo do setor elétrico nacional. Isso é uma atribuição do Governo Federal.

TRANSMISSÃO: já os custos com transmissão de energia elétrica são aqueles relacionados ao transporte da energia desde as usinas geradoras, passando pelos sistemas de transmissão até chegarem aos sistemas de distribuição.

ENCARGOS SETORIAIS: são valores cobrados por determinação legal para o desenvolvimento do setor elétrico e para subsidiar as políticas energéticas do Governo Federal. Um exemplo é o P&D, que é o encargo destinado a fomentar a Pesquisa e o Desenvolvimento e a Eficiência Energética. Outro exemplo é o CDE, que subsidia o Programa Tarifa Social de Energia Elétrica, que dá descontos na conta da população baixa renda. 

ILUMINAÇÃO PÚBLICA É 5,7% DA CONTA

Além de todos os tributos que são cobrados na conta de energia, a Celpa também atua como um agente arrecadador da Contribuição de Iluminação Pública (CIP), que equivale, em média, -a 5,7% da conta. Esses valores são definidos e aprovados pela Câmara Municipal. A Celpa funciona apenas como agente arrecadador, ou seja, recolhe o que é pago na conta de energia e repassa integralmente às prefeituras municipais, que são as responsáveis pela ampliação e manutenção de todo o sistema de iluminação dos municípios.

OS IMPOSTOS CORRESPONDEM A 27,5% DA CONTA DE ENERGIA

Vale também ressaltar que do valor total de uma conta de energia, 27,5% são destinados ao pagamento de impostos. Um exemplo é o Imposto Sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS), repassado integralmente ao Estado.  O PIS e o COFINS, que são tributos cobrados pela União para manter programas voltados ao trabalhador e programas do Governo Federal, também são repassados de forma integral aos órgãos e instituições competentes.

DO TOTAL DA CONTA DE ENERGIA, 22,4% FICAM COM A CELPA

Para a Celpa, do total que é pago nas contas mensais, apenas 22,4% fica para a concessionária manter as suas atividades e realizar os investimentos necessários para melhorias no serviço. Esse percentual é o que a concessionária utiliza para a construção de subestações, otimização da rede de distribuição e atendimento, remuneração de colaboradores e outras ações para garantir qualidade no serviço.

Fonte: DOL

Artigos relacionados

DEIXAR UM COMENTÁRIO

Política de moderação de comentários: A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro ou o jornalista responsável por blogs e/ou sites e portais de notícias, inclusive quanto a comentários. Portanto, o jornalista responsável por este Portal de Notícias reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal e/ou familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.

Adblock Detectado

Considere nos apoiar desabilitando o bloqueador de anúncios