DestaqueOPERAÇÃOPará

Operação Saldo Zero deflagra desvio de R$ 23 milhões da Ufra no Pará

Força-tarefa da Controladoria-Geral da União, Polícia Federal e Procuradoria no Pará deflagrou a Operação Saldo Zero, na última quarta-feira (27), contra organização criminosa supostamente ligada a desvios de recursos públicos destinados a projetos de pesquisa, transferidos pela Universidade Federal Rural da Amazônia (UFRA) à Fundação de Apoio à Pesquisa, Extensão e Ensino em Ciências Agrárias (Funpea).

A PF cumpre sete mandados judiciais de prisão temporária e 11 de busca e apreensão nos municípios de Belém e Ananindeua (PA). A ação conta com a participação de 12 auditores da CGU, além de policiais federais e servidores do Ministério Público do Estado do Pará.

Saldo Zero faz referência aos valores encontrados nas contas correntes dos projetos, cujos recursos foram integralmente desviados pela organização criminosa, informou a Controladoria.

A investigação, iniciada em 2018, teve origem a partir de denúncia da Reitoria da Universidade, que ao implementar controles internos recomendados pela CGU, ‘identificou fraudes em extratos bancários apresentados pela Funpea’.

A Controladoria fez auditoria e constatou que dos R$ 23 milhões repassados à Funpea, entre 2014 e 2018, ‘nenhum dos objetos previstos em 16 projetos examinados foram concluídos, sendo que a maioria sequer foi iniciada’.

“Não existe perspectiva de conclusão dos projetos em virtude da situação de insolvência da Fundação”, destaca a Controladoria.

Segundo a investigação, a organização criminosa é composta por servidores ativos da Universidade Federal Rural da Amazônia, eleitos para cargos de direção da Funpea, sócios de empresas fornecedoras de bens e serviços e funcionários da Fundação’.

Os investigadores destacam que ‘os recursos eram desviados principalmente pela contratação de empresas ligadas a funcionários da Fundação de Apoio à Pesquisa, Extensão e Ensino em Ciências Agrárias por meio de licitações direcionadas’.

Somente uma empresa de fachada, vinculada a ex-funcionários, recebeu pagamentos que totalizam R$ 12.035.399,64 ‘para prestação de serviços de assessoria, porém não comprovados’.

Ufra se pronuncia

“A partir de uma Avaliação da CGU acerca dos contratos realizados com as Fundações de Apoio em 2017, a gestão recém empossada da Universidade buscou implementar profundas mudanças administrativas que atendessem a todas as recomendações de auditoria preventiva da CGU e expostas naquele relatório.

Além de atender ao disposto pela CGU, as medidas visaram aperfeiçoar fortemente o controle finalístico da Universidade sobre contratos Fundacionais existentes. Entre as principais ações, destacam-se: aprovação de nova resolução que disciplinou as regras desse tipo de contratação, portarias com a criação de setor específico para receber, analisar, diligenciar e concluir acerca das prestações de contas pendentes e em andamento, instituição de novos critérios para renovação e aditamento de contratos, novos critérios também para liberação de parcelas residuais pendentes e modelos de prestação de contas de uso obrigatório por parte das Fundações, Fiscais e Coordenadores de projetos.

A partir desses controles exercidos, a própria gestão da UFRA pôde identificar o baixo nível de eficiência dos projetos até então contratados. Com o acréscimo de controle e diligências baixadas com a FUNPEA, a Universidade apurou, em final de julho de 2018, documentos com fortes indícios de manipulação. Foram realizadas tratativas administrativas com a Instituição Financeira mantenedora das contas específicas dosprojetos, pelo qual ficou comprovado que essas contas se encontravam, de fato, desfalcadas.

Por se tratar de falta grave com desdobramentos cíveis e criminais, a UFRA representou junto à CGU, à Polícia Federal e ao Ministério Público Federal, em agosto de 2018, todos os fatos de que tinha conhecimento, inclusive com o compartilhamento integral das provas documentais até então apuradas pela Universidade.

No que cabe às medidas específicas da Universidade, foi encaminhada, por meio do setor jurídico da UFRA, a proposição de ação cautelar para bloquear os bens da FUNPEA e de seus representantes legais na monta dos valores arrolados nos processos inconsistentes, para resguardar a Administração e o erário público. Ademais, no prisma administrativo, a Universidade vem realizando procedimentos com vistas a punir os envolvidos e buscar o ressarcimento do dano ao erário.

Por fim, a Universidade Federal Rural da Amazônia reitera o seu compromisso com a educação pública de qualidade e a correta aplicação dos recursos sob sua administração.”

(Estadão)

Artigos relacionados

DEIXAR UM COMENTÁRIO

Política de moderação de comentários: A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro ou o jornalista responsável por blogs e/ou sites e portais de notícias, inclusive quanto a comentários. Portanto, o jornalista responsável por este Portal de Notícias reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal e/ou familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.

Adblock Detectado

Considere nos apoiar desabilitando o bloqueador de anúncios