Parauapebas: Comércio retraído na véspera do Dia dos Pais

O Comércio de Parauapebas ainda registra movimento tímido na véspera do Dia dos Pais. A expectativa dos lojistas e comerciantes é que essa realidade mude neste sábado, 10, e domingo, 11, quando é comemorada a data em homenagem aos pais.

A procura por presentes ainda discreta, segundo os comerciantes, é reflexo do momento difícil economicamente pelo qual passa o País, que reflete no mercado local. O trabalhador está com o orçamento apertado e muitas famílias estão sem renda fixa, porque geralmente o provedor do lar, como o pai ou mãe, está desempregado.

Por conta disso, a previsão é de vendas de produtos com preços modestos. Lembranças, simples, apenas para não deixar a data passar em branco.

Comerciante há mais de 20 anos no ramo de itens para presentes e brinquedos, Evanilson Meireles diz que já esperava vendas fracas nessa data, mas afirma que está esperançoso em dias melhores para o País e também para Parauapebas. Ele, que viveu o apogeu econômico da cidade, no início da implantação dos projetos de mineração, diz que acredita em um cenário promissor para a Capital do Minério.

“Bem, a gente viveu o período das vacas gordas, nos beneficiamos disso e, agora, temos de ter paciência nesse período de vacas magras e torcer para que tudo dê certo em nossa cidade”, ressalta, observando que aos poucos Parauapebas vem reagindo à crise econômica, o que é um indicativo animador, principalmente para o comércio.

Presentes simples – Em tempos de pouco dinheiro e orçamento apertado, a saída para muitos filhos é dar presentes simples, mas com grande significado. Por isso, procuram saber o que o pai gosta, para que a lembrança, ainda que com preço em conta, seja representativa.

“Eu conversei com ele e, sem que percebesse, perguntei o que gostaria de ganhar. E, com base no que meu pai falou, vou comprar o presente”, diz Vitória Regina, que vai comprar amanhã o presente do pai.

Outra que vai dar o que pai gosta é Maria das Graças. Ela conta que seu genitor ama esporte e é flamenguista “doente”. “Vi uma caneca do Flamengo e não tive dúvida. É essa. O preço tá bom e tenho certeza que ele vai amar”, aposta.

Bruno Fonseca, que diz ter o maior orgulho do pai, vai enviar dinheiro para o paizão, que mora em Teresina, no Piauí, comprar o quiser. Longe da família há um ano e meio, ele frisa que, mesmo distante, procura ajudar o pai, quando ele precisa.

“Eu sempre mando um agrado pra ele. É uma forma de retribuir um pouco por tudo o que ele fez por mim. Sou imensamente grato pela criação que ele me deu”, declara Bruno, ressaltando que faz o que estiver ao seu alcance pelo pai.

CORREIO DE CARAJÁS (Tina Santos – com a colaboração de Ronaldo Modesto)

Artigos relacionados

DEIXAR UM COMENTÁRIO

Política de moderação de comentários: A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro ou o jornalista responsável por blogs e/ou sites e portais de notícias, inclusive quanto a comentários. Portanto, o jornalista responsável por este Portal de Notícias reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal e/ou familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.

Adblock Detectado

Considere nos apoiar desabilitando o bloqueador de anúncios