Parauapebas: Famílias, casas e plantações são removidas por forças policiais

Um grande aparato de Segurança Pública, comandado pela Polícia Militar, foi empregado na manhã de hoje, terça-feira (10), para cumprimento de um mandado de reintegração de posse em favor da empresa Nova Carajás Construções e Incorporações Ltda, em Parauapebas. A área, no Loteamento Nova Carajás, foi ocupada há aproximadamente três anos e as famílias vinham desenvolvendo atividade agrícola no local.

O major Major Lima Neto, da Rondas Ostensivas Táticas Metropolitanas (Rotam), da Polícia Militar, se deslocou de Belém para coordenar a ação, que contou com apoio de forças policiais de Parauapebas e Marabá, além de Corpo de Bombeiros e da Celpa, para desligamento seguro da energia. De acordo com ele, cerca de 60 famílias estavam vivendo na área ocupada.

“A princípio houve resistência, mas com diálogo conseguimos reverter e eles se tornaram pacíficos. Estão sendo retirados os utensílios e estamos demolindo as construções e reintegrando a área”, disse, respondendo, ao ser questionado pela Reportagem, que as plantações – a maioria de hortaliças – também serão destruídas.

“As plantações estão sendo retiradas porque isso vai ser loteado, os órgãos estão aqui para dar cumprimento e está havendo questionamento normal porque há um laço com a terra, por estarem morando aqui há algum tempo”, concluiu, informando que em alguns casos a empresa pagará aluguel social.

Tristeza e falta de rumo

Há dois anos Jair Trindade da Fonseca saiu de Tailândia para morar na casa construída pelo sobrinho e trabalhar na área. “É um momento de tristeza porque a gente tinha outros planos, a gente ia criar uns peixes e ia fazer um negócio bonito aqui, mas praticamente foi por água abaixo”, afirmou, informando que pretende seguir para a VS-10, onde outras pessoas irão acolhê-lo.

Ainda segundo ele, os ocupantes foram notificados de que deveriam sair até esta data, mas imaginavam que o prazo não seria seguido à risca. “A gente não esperava que fosse agora, mas aconteceu hoje e a gente vai sair numa boa”.

Edmilson Rodrigues, presidente da associação do Vale do Axixá, conta que também vinha trabalhando na área, plantando hortaliças há três anos, e que as famílias tinham a expectativa de que a área ocupada fosse da União. “Mas aí hoje chega os policiais com ordem judicial para tirar o pessoal à força, deixando mais de 40 famílias desempregadas, passando fome e necessidade, aumentando o número de desempregados em Parauapebas e no país”, lamentou, chamando a atenção das autoridades.

“Que hajam para que a gente não fique também na condição onde milhões de brasileiros estão, que é passando fome. A gente tá vivendo com o que a gente planta aqui”, declarou. O mesmo reforça Fabilciana da Silva, no local também há três anos. “Não temos outra alternativa e viemos para cá para poder plantar e manter nossa família, não tenho outra profissão. Vim fazer isso que é o que eu sei fazer e gosto de fazer, tenho meus filhos para manter e tô aqui porque preciso”.

Ela afirma não saber para onde ir nesta terça-feira. “O que sei fazer é isso aqui, só falaram que fariam a retirada a partir de hoje e disse que era para as pessoas se prepararem para sair, mas sair pra onde?”, questiona. O Correio de Carajás enviou mensagem para o escritório local da empresa abrindo espaço para posicionamento, mas não houve retorno até o momento.

Correio de Carajás (Luciana Marschall – com informações de Gabriela Penalber)

Artigos relacionados

DEIXAR UM COMENTÁRIO

Política de moderação de comentários: A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro ou o jornalista responsável por blogs e/ou sites e portais de notícias, inclusive quanto a comentários. Portanto, o jornalista responsável por este Portal de Notícias reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal e/ou familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.

Adblock Detectado

Considere nos apoiar desabilitando o bloqueador de anúncios