Pesquisa revela que 17% dos eleitores pretendem anular ou votar em branco nas eleições 2018

A pesquisa do Ibope revelou que 10% dos eleitores ainda não sabem em quem vão votar para governador. As intenções de votos brancos e nulos também chamam atenção, totalizando 17%.

Faltando menos de um mês para os eleitores irem as urnas decidir quem serão os novos deputais estaduais, federais, senadores, governador e presidente do país, ainda tem muita gente indecisa na hora de escolher um candidato. Segundo a última pesquisa divulgada pela Tv Liberal em 20 de agosto, 17% dos eleitores pretendem anular ou votar em branco nas eleições 2018.

A pesquisa do Ibope revelou que 10% dos eleitores ainda não sabem em quem vão votar para governador. As intenções de votos brancos e nulos também chamam atenção, totalizando 17%.

“Eu acredito que essa não seja apenas a minha duvida, mas de muitos eleitores. Muitas pessoas não sabem diferença do voto em branco para o voto nulo. O TRE fala sobre cada candidato através do seu site físico então por lá as pessoas podem pesquisar a trajetória de cada político ”, disse a estudante de direito.

Quando o eleitor digita na urna um número que não é de nenhum candidato e confirma o voto é considerado nulo. A opção do voto em branco é um dos botões que aparece na urna. Quem vota em branco ou nulo, abre mão do direito de escolher o candidato, e qualquer que seja o resultado não anula uma eleição. Segundo a coordenação da escola judiciária do Tribunal de Justiça , na prática o voto branco ou nulo só funciona para estatísticas e não interfere no resultado da eleição.

Fato ou Fake

O projeto fato ou fake da rede Globo também ajuda a esclarecer ao eleitor o que são as notícias falsas e verdadeiras nos conteúdos políticos espalhados pelas redes sociais. Para alguns eleitores a internet é a melhor fonte de pesquisa na hora de escolher um candidato principalmente para quem pretender saber um pouco mais do histórico político de determinado candidato.

Fonte: G1 Pará

Artigos relacionados

DEIXAR UM COMENTÁRIO

Política de moderação de comentários: A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro ou o jornalista responsável por blogs e/ou sites e portais de notícias, inclusive quanto a comentários. Portanto, o jornalista responsável por este Portal de Notícias reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal e/ou familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.

Adblock Detectado

Considere nos apoiar desabilitando o bloqueador de anúncios