Polícia Federal deflagra operação de combate a fraudes em contratos de hospitais de campanha no Pará

Investigados são empresários, o operador financeiro do grupo e integrantes da cúpula do governo do Pará

Ainda na madrugada de terça-feira (29), a Polícia Federal, em conjunto com Controladoria-Geral da União (CGU) e a Polícia Civil do Estado de São Paulo, deflagrou a Operação S.O.S, com objetivo de desarticular uma organização criminosa dedicada a desvios de recursos públicos na área da saúde, destinados a contratação de organizações sociais para gestão de hospitais públicos do Pará, dentre eles os hospitais de campanha montados para enfrentamento da pandemia do novo coronavírus (Covid-19).

A investigação compreende o período de agosto de 2019, indo até a maio de 2020, onde doze contratos celebrados entre o Governo do Estado do Pará e Organizações Sociais ligadas ao grupo investigado foram analisados, totalizando o valor de de R$ 1.284.234.651,90 – um bilhão duzentos e oitenta e quatro milhões duzentos e trinta e quatro mil seiscentos e cinquenta e um reais e noventa centavos.

Segundo a Polícia Federal, os investigados são empresários, o operador financeiro do grupo, integrantes da cúpula do governo do Pará, além do próprio Governador, Helder Barbalho. A operação contou com a participação de 218 policiais federais, 14 auditores da CGU e 520 policiais civis.

Ainda na madrugada desta terça-feira (29), a Polícia Federal, em conjunto com Controladoria-Geral da União (CGU) e a Polícia Civil do Estado de São Paulo, deflagrou a Operação S.O.S, com objetivo de desarticular uma organização criminosa dedicada a desvios de recursos públicos na área da saúde, destinados a contratação de organizações sociais para gestão de hospitais públicos do Pará, dentre eles os hospitais de campanha montados para enfrentamento da pandemia do novo coronavírus (Covid-19).

Segundo a Polícia Federal, os investigados são empresários, o operador financeiro do grupo, integrantes da cúpula do governo do Pará, além do próprio Governador, Helder Barbalho. A operação contou com a participação de 218 policiais federais, 14 auditores da CGU e 520 policiais civis.

As diligências ainda estão em cumprimento em Belém, Capanema, Salinópolis, Peixe-Boi e Benevides, além de Goiânia (GO), Araçatuba (SP) e diversas cidades do Estado de São Paulo.

Os crimes investigados são fraude em licitações, falsidade ideológica, peculato, corrupção passiva, corrupção ativa, lavagem de dinheiro e organização criminosa, com penas previstas superior a sessenta anos de reclusão.

Em nota, o Governo do Estado informou que apoia, como sempre, qualquer investigação que busque a proteção do erário público.

Artigos relacionados

DEIXAR UM COMENTÁRIO

Política de moderação de comentários: A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro ou o jornalista responsável por blogs e/ou sites e portais de notícias, inclusive quanto a comentários. Portanto, o jornalista responsável por este Portal de Notícias reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal e/ou familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.

Adblock Detectado

Considere nos apoiar desabilitando o bloqueador de anúncios