POLÍTICA: Doria fala de parceria com Helder e dispara contra Bolsonaro

Após fazer um histórico da sua trajetória política e das suas gestões à frente da prefeitura e do governo de São Paulo, João Doria (PSDB) afirmou se considerar uma “opção confiável e pacificadora” como terceira via para a corrida presidencial do ano que vem. “Na disputa para a prefeitura de São Paulo comecei na quinta e última colocação com apenas 1% dos votos e terminei a disputa como vencedor alcançando 53%, vencendo a eleição em primeiro turno”, lembrou.

O governador de São Paulo esteve ontem em Belém para promover a sua candidatura às prévias do PSDB, que ocorrem nacionalmente no próximo dia 21 de novembro em todo o país e que escolherão o nome da legenda para a disputa presidencial em 2022. Essa é a quinta vez que João Doria vem ao Pará.

O PSDB realiza prévias para a escolha do candidato à presidência. Doria concorrerá com o senador Tasso Jereissati, com o prefeito de Manaus Arthur Virgílio e com o governador do Rio Grande do Sul, Eduardo Leite. “Prévias não mutilam. Elas agregam, multiplicam e fortalecem o partido e aquele que for o vencedor”, diz Doria, que venceu as duas últimas prévias tucanas da qual participou: em 2016 para prefeito de São Paulo e em 2018 para governador do mesmo Estado. Na sequência venceu as duas disputas.

O governador garante que na disputa presidencial de 2022 o partido estará distante de Lula e Bolsonaro. “Somos um partido liberal que respeita a social democracia. A última pesquisa do Datafolha mostra que 52% do eleitorado não quer nem Lula nem Bolsonaro, que rejeita os extremos. O povo brasileiro quer um governo pacificador com propostas transformadoras para nosso país”, cita.

Indagado sobre a adesão do PSDB à base de apoio político do governador Helder Barbalho, Doria afirmou que não irá definir ou opinar acerca das decisões partidárias tomadas aqui. “Seguirei e apoiarei aquilo que for bom para o PSDB do Pará, respeitando as características locais e as decisões regionais”.

AGRESSÕES

Crítico ferrenho de Jair Bolsonaro – a quem apoiou na disputa presidencial de 2018 – Doria garante que o Brasil vive a sua pior e mais conturbada crise política, social e institucional desde o golpe de 1964. “Nunca houve tanta contestação, tanta conflagração e tantas ameaças à Constituição e à democracia como agora. Defenderei sempre o Estado Democrático de Direito”, destacou o governador, que afirmou apoiar o movimento nacional que ocorrerá nacionalmente amanhã contra o presidente Jair Bolsonaro, a quem classificou como “psicopata”.

O governador paulista lembra que o presidente da República “agrediu as instituições, aterrorizou o país, emparedou o Supremo Tribunal Federal e seus ministros, além de ameaçar violentar a Constituição. “Como que uma pessoa faz isso num dia e dois dias depois recua das suas posições? Só pode ser um covarde ou alguém que não esteja dispondo de plenas capacidades mentais”, criticou o governador, sobre a carta de recuo divulgada pelo presidente Bolsonaro na última quinta-feira.

Pará receberá a doação de 500 mil doses da CoronaVac do Estado de São Paulo

João Doria disse que Bolsonaro rompeu com o pacto federativo, desprezando governadores e antagonizando com prefeitos, com exceção de 2 governadores que rezam pela cartilha Bolsonarista e que Doria não citou nominalmente. “Com exceção desses dois, os outros 25 governadores foram rigorosamente abandonados pelo governo federal em todas as áreas. O Fórum dos Governadores está aí para mostrar”.

Doria afirmou que caso não receba cerca de 1 milhão de doses da AstraZeneca que, segundo ele, estão em atraso e seriam destinadas para a aplicação da segunda dose no estado de São Paulo, vai entrar com uma ação no Supremo Tribunal Federal (STF) contra o Ministério da Saúde.

O governador garante ter enviado dois ofícios ao governo federal até a última quinta-feira cobrando o envio da vacina que deveria ter sido repassado ao Plano Nacional de Imunização (PNI), mas não obteve resposta. A falta do imunizante impede que a população complete o ciclo vacinal contra a Covid-19.

O problema ocorre desde o início da semana, e gerou um novo impasse entre as gestões estadual, municipal e o Ministério da Saúde. O governo do estado e a prefeitura da capital paulista acusam o governo federal de alterar cronograma de envio, atrasar repasse de lotes e provocar desabastecimento dos postos, principalmente na cidade de São Paulo.

Após a coletiva realizada num hotel do centro da cidade, João Doria participou de um jantar oferecido pelo governador Helder Barbalho e ressaltou a parceria produtiva com o gestor paraense. “O Estado de São Paulo doou 500 mil doses da vacina CoronaVac ao Estado do Pará e Helder estará na segunda-feira em São Paulo para receber o primeiro lote dessa doação”, revelou o governador, que participa hoje pela manhã, no mesmo hotel, da nona edição do “Encontros do PSDB pelo Brasil”, mobilização que vai reunir militância e lideranças tucanas em torno das prévias.

O governador paulista estava acompanhado na coletiva do ex-deputado federal e ex-governador da Bahia, Antônio Imbassahy, de Wilson Pedroso, coordenador das prévias e do deputado federal Nilson Pinto, presidente estadual do PSDB.

Fonte: DOL

Artigos relacionados

DEIXAR UM COMENTÁRIO

Política de moderação de comentários: A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro ou o jornalista responsável por blogs e/ou sites e portais de notícias, inclusive quanto a comentários. Portanto, o jornalista responsável por este Portal de Notícias reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal e/ou familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.

Adblock Detectado

Considere nos apoiar desabilitando o bloqueador de anúncios