Economia

Preços do petróleo desabam 8% para o menor nível em mais de 1 ano

Petróleo registrou a sétima perda semanal consecutiva em meio a receios de um excesso de oferta.

Os preços do petróleo nos Estados Unidos caíram quase 8% na última sexta-feira (23), ao menor nível em mais de um ano, registrando a sétima perda semanal consecutiva em meio a receios de um excesso de oferta, apesar de nações produtoras considerarem cortes na produção.

Os futuros do petróleo Brent perderam US$ 3,80, ou 6,1%, a US$ 58,80 por barril. Durante a sessão, a referência tocou US$ 58,41, sua mínima desde outubro de 2017.

Os petróleo dos EUA (WTI) recuou US$ 4,21, ou 7,7%, para US$ 50,42 dólares o barril, também sua mínima desde outubro do ano passado.

Na semana, o Brent teve um declínio de 11,3%, enquanto o WTI perdeu 10,8%, a maior queda semanal desde janeiro de 2016.

A oferta de petróleo, liderada pelos produtores norte-americanos, está crescendo mais rapidamente do que a demanda, e para evitar o acúmulo de combustível, como o que surgiu em 2015, a Organização dos Países Exportadores de Petróleo deve começar a reduzir a produção após uma reunião prevista para 6 de dezembro.

Mas isso não fez muito até agora para dar suporte aos preços. O valor do barril de petróleo caiu mais de 20% até agora em novembro, em um período de sete semanas de perdas. O petróleo está a caminho da maior queda mensal desde o final de 2014.

“O mercado está precificando a desaceleração econômica — eles estão antecipando que as negociações comerciais com a China não vão ser boas”, disse Phil Flynn, analista na Price Futures Group, referindo-se ao esperado encontro entre os presidentes dos Estados Unidos, Donald Trump, e da China, Xi Jinping, durante a cúpula do G20 em Buenos Aires na próxima semana.

“O mercado não acredita que a Opep vai ser ágil o suficiente para compensar a queda da demanda”, disse Flynn.

A produção de petróleo subiu este ano. A Agência Internacional de Energia espera que apenas a produção de países não integrantes da Opep aumente 2,3 milhões de barris por dia (bpd) em 2018. A demanda por petróleo no próximo ano, por sua vez, deverá crescer 1,3 milhão de barris por dia.

Com o ajuste para reduzir a demanda, a Arábia Saudita, maior exportadora de petróleo do mundo, disse na quinta-feira que pode reduzir a oferta, uma vez que pressiona a Opep a concordar com um corte conjunto de 1,4 milhão de barris por dia.

Se a Opep concordar em cortar a produção em sua reunião no próximo mês, os preços do petróleo poderão se recuperar drasticamente, dizem os analistas.

Fonte: G1

Artigos relacionados

DEIXAR UM COMENTÁRIO

Política de moderação de comentários: A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro ou o jornalista responsável por blogs e/ou sites e portais de notícias, inclusive quanto a comentários. Portanto, o jornalista responsável por este Portal de Notícias reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal e/ou familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.

Adblock Detectado

Considere nos apoiar desabilitando o bloqueador de anúncios