Projeto Salobo vai contratar 3.700 trabalhadores ainda este ano; saiba mais

A mineradora Vale corre esperando apenas a licença de instalação para iniciar as obras do Salobo III, a segunda expansão do projeto que está encravado em terras marabaenses, que só este ano injetou nas contas da prefeitura local mais de R$ 50 milhões (entre janeiro a setembro) com a Cfem (Compensação Financeira pela Exploração Mineral). Para a empresa, será ótimo porque a ampliação do beneficiamento irá incrementar a produção de cobre na mina do Salobo e viabilizar o beneficiamento do minério de baixo teor.

A mineradora projeta gerar mais 3.700 empregos diretos e, durante o período de operação, a partir de 2021, serão gerados 800 novos empregos diretos, os quais se somarão aos 3.500 empregados que já trabalham nas plantas do Salobo I e II.

Nas últimas semanas, cinco engenheiros da Vale compareceram à reunião ordinária do Conselho Consultivo da Floresta Nacional Tapirapé Aquiri para apresentar o projeto Salobo III. Fizeram uso da palavra Michelle Matos de Souza, Patrícia Seabra, Andreya Teixeira, Vitor Pimenta e Rodrigo Garrocho. Este último fez apresentação técnica do projeto e os demais ajudaram a tirar dúvidas dos membros do Conselho.

A mineradora alega que não haverá aumento da capacidade de lavra, e que utilizará a mesma rota de processo da instalação já existente e mesma quantidade de minério e estéril da mina existente. Atualmente, parte do minério é estocada para processamento futuro. Com a fase III do Salobo, este minério será enviado diretamente para beneficiamento. “Dessa forma, haverá uma redução da quantidade de minério estocado, que é de aproximadamente 220 milhões de toneladas”, explicou Rodrigo Garrocho.

Sobre Salobo

A mina de Salobo, em Marabá, se assenta sobre a maior reserva medida, provada e provável de cobre no Brasil. Enquanto, por exemplo, a mina de cobre de Sossego, em Canaã dos Carajás, possui reserva estimada em 120,1 milhões de toneladas métricas secas de minério de cobre, com teor de 0,68%, a reserva de Marabá tem reserva de 1,193 bilhão de toneladas, com teor de cobre de 0,61%. A vida útil de Salobo, mesmo com a expansão, também é maior: começou a operar em 2012 e segue a plenos pulmões até 2052. Já Sossego, que começou a produzir em 2004, vai pendurar as chuteiras daqui nove anos — seria em sete, mas a Vale fez revisão das reservas, diminuiu consideravelmente a produção e, por fim, deu sobrevida ao empreendimento.

Do ponto de vista negocial, hoje, para a Vale, Salobo é sua 3ª principal operação no país, segundo dados da Agência Nacional de Mineração (ANM). Só perde para os projetos Ferro Carajás, em Parauapebas, e Ferro S11D, em Canaã. Este ano, até o último dia 15, Salobo produziu R$ 3,94 bilhões em recursos minerais e rendeu R$ 79,6 milhões em royalties de mineração, montante que é repartido em cotas distintas para a União, o Governo do Pará e a Prefeitura de Marabá, esta a qual fica com 60% da fatia.

A economia de Marabá, aliás, tem em Salobo a maior contribuição para composição do Produto Interno Bruto (PIB), com 38,5% de participação. É uma força tão impressionante que faz sucumbir até a poderosa agropecuária local, que reúne mais de um milhão de cabeças de gado. A agropecuária só representa 3,7% do PIB marabaense.

Entre royalties, taxas e compensações, Salobo coloca na conta da Prefeitura de Marabá cerca de R$ 200 milhões por ano. Aliás, foi pelo valor adicionado — que saltou R$ 1,2 bilhão de 2016 para 2017 — produzido por Salobo que a cota-parte do Imposto sobre a Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) aumentou na vigência do ano que vem. Nos últimos cinco anos, com a entrada em operação de Salobo, a cota-parte do ICMS de Marabá aumentou 1%. Com a expansão concluída, Marabá deve faturar mais 1% na cota do imposto, gradativamente.

Artigos relacionados

DEIXAR UM COMENTÁRIO

Política de moderação de comentários: A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro ou o jornalista responsável por blogs e/ou sites e portais de notícias, inclusive quanto a comentários. Portanto, o jornalista responsável por este Portal de Notícias reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal e/ou familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.

Adblock Detectado

Considere nos apoiar desabilitando o bloqueador de anúncios