Reforma da Previdência deve ter votação adiada

Peça chave na equipe de transição, Onyx Lorenzoni diz que PEC deve ser revista

A reforma da Previdência, que estava nos planos do presidente Michel Temer (MDB) para ser votada ainda este ano, deve ficar para o ano que vem. Pelo menos é o que aponta o deputado federal pelo PSL/RS,  Onyx Lorenzoni, um dos primeiros nomes anunciados pelo presidente eleito Jair Bolsonaro (PSL) para compor a equipe de transição. Em entrevista concedida hoje, pela manhã, à Rádio CBN, Lorenzoni, indicado ao cargo de ministro-chefe da Casa Civil, afirmou que a reforma precisa acontecer, porém, sem interesses escusos. Para ele, a proposta apresentada pelo governo Temer para reformular a Previdência Social foi construída tal qual uma “colcha de retalhos”. Ele diz que não é necesária pressa na votação de um assunto de tamanha relevância para o povo brasileiro, e garante que os cálculos serão refeitos.

CONTRAPONTO

A intenção de Michel Temer é garantir a votação da reforma até o final do ano. O presidente declarou que oferecerá ao presidente eleito, Jair Bolsonaro, a ideia de articular a Proposta de Emenda à Constituição (PEC) e colocá-la em votação na Câmara dos Deputados se for do agrado do futuro chefe do Executivo federal. Após conversarem por telefone na noite de ontem  (28/10), o emedebista disse que percebeu do capitão reformado do Exército a vontade de pacificar, e buscar a harmonia e unidade do país.

Caso haja o interesse por parte de Bolsonaro, Temer insinuou que vai articular com o atual Congresso a aprovação da medida. Para ele, é possível aprová-la ainda neste ano. “Ou seja, a estrada estará inteiramente asfaltada para o próximo governo”, disse. Será preciso, no entanto, que o texto atual não seja modificado, defende o emedebista. “Acho que, se for modificar demais aquilo que já está pronto para ser votado, evidentemente não dá tempo. Mas se o presidente eleito quiser avançar na proposta que já está pronta, dará tempo. Teremos praticamente quase dois meses pela frente”, ponderou.

Fonte: ORM

Artigos relacionados

DEIXAR UM COMENTÁRIO

Política de moderação de comentários: A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro ou o jornalista responsável por blogs e/ou sites e portais de notícias, inclusive quanto a comentários. Portanto, o jornalista responsável por este Portal de Notícias reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal e/ou familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.

Adblock Detectado

Considere nos apoiar desabilitando o bloqueador de anúncios