Sindicato quer que delegado que investigava brigadistas em Alter do Chão volte para o caso

Em nota, sindicato disse que decisão do governador do Pará, Helder Barbalho, contraria lei federal. Entidade informou que vai entrar com medidas jurídicas para reverter a situação.

O Sindicato dos Delegados do Pará (Sindpol) divulgou  sábado (30) uma nota de repúdio à decisão do governador do Pará, Helder Barbalho, de trocar o delegado responsável pelo caso dos quatro brigadistas investigados por incêndios florestais na região de Alter do Chão, em Santarém. De acordo com a nota, a associação vai entrar com medidas jurídicas para reverter a situação.

A nota afirma que o o governador violou a lei federal 12.830, que trata sobre investigação criminal. Segundo a associação, a lei prevê que os inquéritos policiais só podem ser redistribuídos, mediante despacho fundamentado. O Sindpol alega que não houve despacho prévio e, portanto, o delegado Fábio Amaral Barbosa, foi afastado ilegalmente.

Em resposta a associação, a Polícia Civil informou em nota, que todos os procedimentos sobre este caso foram feitos de acordo com a legislação e levando em consideração as especificidades do caso. Afirma ainda que a condução da investigação por uma unidade especializada e específica segue o regimento interno da corporação e que a o pedido de mudança na condução do caso foi acatado pela corregedoria da polícia.

Ainda de acordo com a nota, o objetivo desta alteração é maximizar a investigação.

A troca do delegado ocorreu na última quinta-feira (28). Segundo o governador do Pará, a mudança foi realizada para que “tudo seja esclarecido da forma mais rápida e transparente possível”. Em nota, o governo anunciou que o Diretor da Delegacia Especializada em Meio Ambiente, Waldir Freire Cardoso, seria o novo responsável pelo inquérito.

Artigos relacionados

DEIXAR UM COMENTÁRIO

Política de moderação de comentários: A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro ou o jornalista responsável por blogs e/ou sites e portais de notícias, inclusive quanto a comentários. Portanto, o jornalista responsável por este Portal de Notícias reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal e/ou familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.

Adblock Detectado

Considere nos apoiar desabilitando o bloqueador de anúncios