TRT-8 inicia campanha de combate ao trabalho infantil

Para combater o trabalho infantil, o Tribunal Regional do Trabalho da 8ª Região (TRT-8) inicia mais uma campanha de sensibilização da sociedade quanto aos problemas causados às crianças e adolescentes por conta do trabalho precoce.

De acordo com a desembargadora Zuíla Dutra, gestora nacional do Programa de Combate ao Trabalho Infantil e de Estímulo à Aprendizagem, a última pesquisa oficial do IBGE, de 2016, aponta que existem no Pará 168.421 crianças e adolescentes de 5 a 17 anos em situação de trabalho inadequado, e que, na Ilha do Marajó, é onde estão os municípios mais críticos neste assunto.

DIÁLOGOS

A campanha deste ano tem o objetivo de estabelecer diálogos com as vítimas para que possam começar a compreender a necessidade de não trabalharem durante a infância. Além disso, também quer divulgar mais informações sobre a Lei da Aprendizagem, que permite que adolescentes a partir de 14 anos trabalhem formalmente.

“Essa mobilização tem dois grandes propósitos: esclarecer a sociedade sobre os males do trabalho infantil, que marca para a sempre a vida de uma pessoa, e sobre a adequada profissionalização para os adolescentes, o chamado ‘Jovem Aprendiz’”, explica Zuíla Dutra.

Este é o quarto ano que o TRT-8 promove a campanha e as ações ocorrem em parcerias com escolas públicas, paróquias e uma rede de voluntários que se dispõem a acompanhar a vida das crianças e adolescentes, por meio do projeto “Padrinho Cidadão”.

“O trabalho infantil ainda é muito presente no nosso país e veio junto com a colonização. O mais comum aqui em Belém é o trabalho infantil doméstico, considerado um dos piores pela Organização Internacional do Trabalho, mas existem crianças também em carvoarias, marcenarias, que atuam como ajudante de pedreiro, várias formas”, comenta a desembargadora.

(Dominik Giusti/Diário do Pará)

Artigos relacionados

DEIXAR UM COMENTÁRIO

Política de moderação de comentários: A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro ou o jornalista responsável por blogs e/ou sites e portais de notícias, inclusive quanto a comentários. Portanto, o jornalista responsável por este Portal de Notícias reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal e/ou familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.

Adblock Detectado

Considere nos apoiar desabilitando o bloqueador de anúncios