URGENTE: Justiça decreta prisão de eleitor que agrediu mesária ao achar que urna estava fraudada

Vídeo mostra eleitor votando o número 17, mas para o cargo de governador do estado. No Pará, as eleições de segundo turno não têm candidato dessa legenda. Mesária tentou impedir o crime de filmagem da urna e foi empurrada.

Vídeo mostra eleitor reclamando de voto anulado porque ele votou na ordem errada

Vídeo mostra eleitor reclamando de voto anulado porque ele votou na ordem errada

Uma juíza eleitoral pediu a prisão de um eleitor que filmou o voto na urna eletrônica, causou tumulto na seção eleitoral e empurrou uma mesária que tentou impedi-lo de registrar o voto em um colégio eleitoral no bairro do Tenoné, em Belém. Nas imagens, a tela da urna mostra a opção de voto para governador, o número 17 e a mensagem de ‘voto nulo’. Isso ocorre porque, no Pará, não há candidato para governador com o número 17.

Ele, então, fez um vídeo para denunciar o que achou ser uma fraude no processo eleitoral. Ele ainda filma outros eleitores na fila e diz que “estão falsificando as urnas, 17 está aparecendo nulo”. O eleitor diz que estava tentando votar para presidente. As imagens viralizaram.

Diante da cena, a supervisora da mesa alertou o eleitor que é proibido registrar o voto, e foi empurrada. A Polícia Militar foi acionada, mas o eleitor se apresentou como PM da reserva e não foi preso por motivos hierárquicos, segundo o Tribunal Regional Eleitoral do Pará (TRE-PA).

A juíza da 97ª Zona Eleitoral, Ana Patrícia Mendes, determinou a busca do eleitor para que ele seja autuado em flagrante. O TRE informou ainda que, caso a prisão não seja realizada em 24 horas, um inquérito será instaurado com as informações dos acontecimentos que foram registrados em ata.

Imagem de tela de urna mostra número 17 e a mensagem de 'voto nulo' em estado que não tem candidato com esta legenda. — Foto: Reprodução

Imagem de tela de urna mostra número 17 e a mensagem de ‘voto nulo’ em estado que não tem candidato com esta legenda. — Foto: Reprodução

Artigos relacionados

DEIXAR UM COMENTÁRIO

Política de moderação de comentários: A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro ou o jornalista responsável por blogs e/ou sites e portais de notícias, inclusive quanto a comentários. Portanto, o jornalista responsável por este Portal de Notícias reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal e/ou familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.

Adblock Detectado

Considere nos apoiar desabilitando o bloqueador de anúncios